Av. Itaú, nº 450, Dom Cabral, 30535-012, Belo Horizonte

Formação pastoral-missionária

A formação pastoral-missionária, princípio unificador de todo o processo formativo, consiste na necessária qualificação específica para o ministério pastoral, sempre impregnado pela ação e condução do Espírito de Deus. No que se refere ao aspecto teórico, deve-se insistir sobre algumas perspectivas de grande relevância para a habilitação pastoral-missionária dos estudos acadêmicos:

1- Os estudos filosóficos e teológicos tenham um claro direcionamento pastoral e missionário por se destinarem à formação dos pastores do Povo de Deus. Esse pressuposto básico em nada empobreça os estudos teológicos ou prive os formandos dos instrumentais teóricos necessários e indispensáveis para interpretar o dado revelado e para munir a prática pastoral das chaves de compreensão da realidade, que iluminadas pela fé, garantem a qualidade e a efetivação da ação evangelizadora da Igreja.

2- A teologia pastoral, empreendida com profundidade e combinada com uma sólida espiritualidade, ajude a superar hermenêuticas insuficientes e tenha condições de oferecer instrumentos essenciais para se conhecer a vida e a fé do povo. Somente uma boa teologia pastoral conjugada com a conversão pastoral poderá preparar o formando para a ação evangelizadora que a Igreja da América Latina e Caribe anseia para si mesma, e que implica passar de “uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária” (DAp, n. 370).

A formação pastoral missionária deve ser guiada por uma metodologia que respeite, em cada experiência, os seguintes critérios no dizer da Pastore Dabo Vobis, número 58:

  • Possibilitar ao formando desenvolver gradual e organicamente a sua experiência pastoral;
  • Inserir-se e engajar-se em comunidade de fé, iniciando sempre pelo conhecimento de sua história, respeitando o caminho pastoral já realizado e assumindo gradualmente serviços e ministérios;
  • Ter uma experiência pastoral diversificada, a partir da convivência e partilha com uma comunidade de fé, nos seus mais variados grupos e expressões;
  • Realizar experiências pastorais em contato com pessoas em situação de sofrimento;
  • Fazer experiências, principalmente nas pastorais organizadas ou propostas pela Igreja;
  • Possibilitar o conhecimento dos diferentes movimentos eclesiais, bem como sociais e populares;
  • Exercitar-se na inculturação e no diálogo com realidades emergentes;
  • Assumir os serviços próprios de sua condição ministerial (leitor, acolito, diácono), a fim de se preparar para o ministério presbiteral;
  • Ser acompanhado nas diversas fases da formação pastoral especialmente nas etapas iniciais.
  • Escolher comunidades e situações pastorais em que os formandos tenham condições de uma reflexão a partir de sua prática e sejam desafiados pela realidade ao crescimento pastoral e espiritual;
  • Possibilitar que os párocos ou os padres responsáveis pelo acompanhamento pastoral ajudem o formando a compreender as dificuldades e deficiências humanas, a discernir os apelos de conversão e crescimento e a reconhecer e acolher as opções da Igreja e os sinais de Deus;
  • Organizar missões especiais e trabalhos pastorais específicos para os períodos de férias, sem privar o formando da convivência com a família e com a comunidade de origem.

Por fim, o trabalho pastoral e as experiências de missão dos formandos sejam devidamente planejados, acompanhados e avaliados. Improvisações, imediatismos, ativismos e empirismos sejam sempre evitados.

OS GRUPOS DE VIDA DEVEM SUSCITAR E CULTIVAR NA DIMENSÃO PASTORAL:

– Presença dos formandos nos acontecimentos da Diocese, sendo um agente facilitador da promoção vocacional.

– Aprofundamento do conhecimento da história da Diocese.

– Alinhamento do projeto de formação do Seminário Diocesano com as propostas do Plano de Pastoral da diocese.

– Organização da Pastoral dos formandos em etapas progressivas de acordo com as normas das Diretrizes para Formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil e do Plano de Pastoral Diocesano.

– Um profundo amor do futuro presbítero ao povo em sua caminhada, com suas esperanças, alegrias e tristezas.